domingo, 24 de setembro de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

INTEGRAÇÃO REGIONAL

A UNASUL e os desafios da integração sul-americana

Diante da grave crise econômica e política dos países da região é necessário recuperar a intensidade dos processos de integração.

Por Willian Habermann | 03/07/2015

Pedro Silva Barros é vice-diretor da área internacional do IPEA, foi titular da Missão do IPEA em Caracas na Venezuela por 4 anos e foi recentemente nomeado para assumir o cargo de Diretor para assuntos econômicos da UNASUL. Em palestra na Universidade Federal do ABC, em São Bernardo do Campo no dia 26 de junho, Pedro destacou qual será o papel da UNASUL perante os desafios da integração sul-americana.

prof Cristina Reis e Pedro Silva Barros em palestra na Universidade Federal do ABC

prof Cristina Reis e Pedro Silva Barros em palestra na Universidade Federal do ABC

Segundo Pedro, a UNASUL foi criada através de um forte protagonismo entre os presidentes Lula, Chávez e Kirchner e em um período de auge da Política Externa desses países, principalmente da Política Externa brasileira. No sentido de propiciar pontos de convergência gerais entre os dois processos regionais existentes (Mercosul e Comunidade Andina de Nações) e contribuir para superar as divergências pontuais a ideia da UNASUL é estender a sua atuação para além da integração econômica através de três eixos: 1) infraestrutura, com a incorporação da Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-americana (IIRSA) ao Conselho Sul-americano de Infraestrutura e planejamento (Cosiplan); 2) finanças, com a Nova Arquitetura Financeira Regional (NAFR); e 3) defesa, com a criação do Conselho de Defesa Sul-americano (CDS).

No entanto, diferentemente da bonança pela qual passava a Política Externa dos países pioneiros do projeto, atualmente se vê um menor protagonismo e uma menor intensidade da política externa desses países nos processos de integração. Esse menor protagonismo está intimamente ligado ao momento político e econômico desfavorável por que passamos. Vivenciamos um aumento brutal da direita, do conservadorismo e uma grave crise econômica em países cruciais da região, o que torna, segundo Pedro, muito mais importante a necessidade de se recuperar a intensidade dos processos de integração sul-americana.

Nesse momento de menor capacidade da política externa dos países sul-americanos os desafios para a integração se tornam maiores. Um dos principais desafios do bloco é o fortalecimento de sua institucionalidade sendo necessário, nesse momento fazer com que a UNASUL tenha instrumentos adequados para concretizar seus projetos e iniciativas nos 12 países. Do ponto de vista econômico, a questão que fica é: como fazer uma ascensão econômica dos países sem que haja um imperialismo regional? Além disso, há de se levar em conta que o orçamento da UNASUL se encontra cada vez mais comprometido devido ao cenário de queda dos preços das commodities e de grave crise econômica nos países membros. Para Pedro, o Bloco precisa criar alternativas para gerar a possibilidade de financiamento e crescimento econômico e encontrar nichos setoriais de complementariedade para aumentar e melhorar as dinâmicas industriais.

UNASUL

Sede da UNASUL em Quito, no Equador

Outro grande desafio do bloco situa-se na questão da infraestrutura, que está intimamente ligada a questão econômica e de financiamento. A América do Sul apresenta graves insuficiências na interligação de suas infraestruturas. Isso representa um grande problema para o bloco, pois, segundo Pedro, sem uma infraestrutura bem desenvolvida não existe integração. Porém, uma das grandes vantagens da UNASUL para o enfrentamento desses desafios é que o bloco permite uma grande sinergia entre os diferentes Conselhos setoriais para a concretização de seus projetos.

Nesse contexto atual e em uma região marcada por profundas desigualdades, a integração que a UNASUL proporcionará, além de fornecer uma alternativa sustentável para resolver os desafios estruturais da América do Sul, será fundamental para a inserção dos países membros em um ambiente internacional cada vez mais competitivo e globalizado.

registrado em:

VEJA TAMBÉM

  • Xô, abutres! Sobre um encontro histórico O encontro BRICS / UNASUL deu um chega pra lá nos abutres, os fundos especulativos internacionais cujo ataque à Argentina visa a fragilizar (...)
  • O futuro do Mercosul O Mercosul vive uma mudança de etapa. A vitória de Mauricio Macri na Argentina, a suspensão de Dilma Rousseff no Brasil, o perfil das novas autoridades brasileiras e a crise na Venezuela […]
  • Política externa e participação social no Mercosul Nos dias 16 e 17 de dezembro, foi realizada em Paraná, na província de Entre Ríos, Argentina, a 47ª Cúpula do Mercosul.

grri@brasilnomundo.org.br