tera, 22 de agosto de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

NUSO

alunida A América Latina não é Chapeuzinho Vermelho

Por Alejandro Frenkel | 25/10/2016

Analisar os processos de integração regional a partir das prioridades estadunidenses não é a única nem a mais importante variável para entender o auge e o declínio dos processos políticos na região

Nos últimos meses, a Organização dos Estados Americanos (OEA) parece haver recobrado seu protagonismo como espaço para tratar os conflitos regionais. Por exemplo, as intervenções do secretário-geral Luis Almagro sobre a situação na Venezuela obrigaram os Estados da região a ativarem suas diplomacias para discutir o tema no seio do organismo. Soma-se a isso o pedido de explicações da instituição interamericana ao governo de Michel Temer sobre o processo de impeachment a Dilma Rousseff (pedido feito, ademais, a instâncias do Partido dos Trabalhadores).

ALAINET

fracking-in-the-uk A financeirização da natureza e suas consequências geopolíticas

Por Monica Bruckmann | 14/10/2016

A utilização do fracking permitiu aos EUA articular uma nova ofensiva política para desestabilizar os governos da latino-americanos que buscaram uma gestão soberana de seus recursos naturais

A análise econômica e política dos recursos naturais nos conduz, inevitavelmente, a uma questão central do capitalismo contemporâneo: a financeirização da natureza que converte os bens naturais em commodities, criando um amplo campo de acumulação financeira que cresce de maneira espetacular.

THE TELEGRAPH

As nações do BRICS demonstram ao mundo uma prova de genuína parceria econômica

Por Roberto Jaguaribe, Liu Xiaoming, Ranjan Mathai, Alexander Yakovenko e Obed Mlaba | 06/08/2015

Embaixadores de Brasil, Índia Rússia, China e África do Sul no Reino Unido comentam a sétima cúpula do BRICS

A sétima cúpula do BRICS, que ocorreu em Ufá, na Rússia, foi um importante marco no que tange à cooperação. Os líderes dos países discutiram problemas de interesse internacional em comum, assim como questões prioritárias para fortalecer e ampliar a cooperação intrabloco. Decidiu-se reforçar a cooperação estratégica dos Brics, com base na franqueza, solidariedade, igualdade e compreensão, inclusão e uma cooperação mutuamente benéfica.

OUTRAS PALAVRAS

A América Latina diante do enigma chinês

Por Alfredo Serrano Mancilla, na Alai | Tradução Inês Castilho | 05/08/2015

Poder global crescente de Pequim pode livrar região da dependência secular diante de Washington. Mas falta projeto próprio, que não signifique mera troca de patrões

Muito se escreveu no século XXI sobre o papel da República Popular da China no mundo. Contudo, as agências norte-americanas de classificação de risco não a enxergam, ao fazer avaliações para muitos países na América Latina. Na mesma linha estão organismos internacionais, com a liderança do Fundo Monetário Internacional, que encobrem as relações do gigante asiático com a região em assuntos comerciais, financeiros, tecnológicos, energéticos e de investimentos. Tanto uns como outros vêm proclamando que Argentina e Venezuela, por exemplo, padecem de um preocupante estrangulamento financeiro externo; ou que estão em plena insolvência, sem recursos para o pagamento de credores internacionais.

ANSUR

Banco do Sul promoverá bom uso de recursos naturais

Por Redação | 03/08/2015

Especialistas reunidos pela organização regional buscam identificar espaços de cooperação financeira e monetária entre os países sul-americanos

A consolidação do Banco do Sul e a gestão do dinheiro proveniente da exploração de recursos naturais possibilitarão geração de conhecimento na região, segundo convergiram os especialistas que participaram da Conferência Internacional de Financiamento para Soberania Regional do Conhecimento, realizada em Quito. O encontro, organizado pela Unasul e a Comissão Técnica Presidencial para a Nova […]

OPERA MUNDI

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, mas sem recursos previsíveis

Por Alessandra Nilo | 29/07/2015

Negociação histórica para solucionar alguns dos grandes problemas do mundo tramita na ONU (Organização das Nações Unidas)

Entra na reta final uma negociação histórica na ONU (Organização das Nações Unidas) para solucionar alguns dos grandes problemas do mundo, inclusive com mandato de erradicação da pobreza: a dos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), que substituirão, a partir de 2016, as Metas do Milênio.

LE MONDE DIPLOMATIQUE BRASIL

Nosso norte é o Sul

Por Suhayla Khalil | 27/07/2015

A consolidação da América do Sul como espaço estável e de integração é prioritária para a política externa brasileira. Na sequência, enfatiza-se a necessidade de fortalecimento da relação com os Brics, a África, os Estados Unidos e a União Europeia, nessa ordem

  Partidos, eleições e política externa O segundo mandato de Dilma Rousseff se iniciou depois de uma eleição em que os temas internacionais apareceram de forma subsidiária no debate – em geral, dentro de um discurso anacrônico de alguns candidatos, calcado na recuperação do imaginário de Cuba como o inimigo comunista da Guerra Fria. Questionou-se […]

OPERA MUNDI

Ignacio Ramonet: Maior batalha da esquerda na América Latina é contra ‘golpe midiático’

Por Pedro Aguiar | 24/07/2015

Ao abrir evento que comemora os dez anos de existência da emissora Telesur, jornalista falou sobre comunicação e avanço da esquerda na região

O maior confronto enfrentado na América Latina atualmente é “a batalha midiática”, desde pelo menos o ano de 2002, quando a tentativa frustrada de derrubar Hugo Chávez na Venezuela deu início a um novo tipo de golpe de Estado, o “golpe midiático”, transferindo aos meios de comunicação privados o papel de partido político nas oposições aos governos da “guinada à esquerda”.

REDE LATINAMÉRICA

Mercosul busca um norte, e também um oeste

Por Victor Farinelli | 21/07/2015

É difícil pensar no fortalecer do Mercosul quando os três países mais relevantes do bloco enfrentam crises políticas internas com efeitos na economia

Cinco chefes de Estado cara a cara, sem a chilena Michelle Bachelet, que não quis ficar para ver o debate sobre o anseio boliviano de saída ao mar.

OPERA MUNDI

América Latina vive ‘crise do centrismo de seus governos de esquerda’, diz cientista político

Por Charles Nisz | 21/07/2015

Especialistas Emilio Taddei e Carlos Eduardo Martins discutem esgotamento do modelo socioeconômico que viabilizou a maré esquerdista na região; Igor Fuser faz contraponto: 'longevidade do projeto mostra acertos e participação social'

“O modelo socioeconômico que viabilizou a condução de governos de centro-esquerda na América Latina dá sinais de esgotamento”. Assim Emilio Taddei, professor da Universidade de Buenos Aires, resume sua visão sobre as motivações dos protestos ocorridos em diversos países da região desde junho de 2013.