sexta, 15 de dezembro de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

NUSO

alunida A América Latina não é Chapeuzinho Vermelho

Por Alejandro Frenkel | 25/10/2016

Analisar os processos de integração regional a partir das prioridades estadunidenses não é a única nem a mais importante variável para entender o auge e o declínio dos processos políticos na região

Nos últimos meses, a Organização dos Estados Americanos (OEA) parece haver recobrado seu protagonismo como espaço para tratar os conflitos regionais. Por exemplo, as intervenções do secretário-geral Luis Almagro sobre a situação na Venezuela obrigaram os Estados da região a ativarem suas diplomacias para discutir o tema no seio do organismo. Soma-se a isso o pedido de explicações da instituição interamericana ao governo de Michel Temer sobre o processo de impeachment a Dilma Rousseff (pedido feito, ademais, a instâncias do Partido dos Trabalhadores).

ALAINET

fracking-in-the-uk A financeirização da natureza e suas consequências geopolíticas

Por Monica Bruckmann | 14/10/2016

A utilização do fracking permitiu aos EUA articular uma nova ofensiva política para desestabilizar os governos da latino-americanos que buscaram uma gestão soberana de seus recursos naturais

A análise econômica e política dos recursos naturais nos conduz, inevitavelmente, a uma questão central do capitalismo contemporâneo: a financeirização da natureza que converte os bens naturais em commodities, criando um amplo campo de acumulação financeira que cresce de maneira espetacular.

ALAINET

Déjà-vu estadunidense espreita América Latina

Por Arturo Alejandro Muñoz | 22/07/2016

Trump ou Clinton, as perspectivas para a paz e segurança na América Latina são pessimistas

Donald Trump é um déjà-vu há muito conhecido, embora desta vez parece trazer ares e insolências renovados. Por sua parte, a senhora Clinton – que juntamente a Obama, mostrou-se inclinada às invasões armadas e assassinatos de líderes estrangeiros – esconde armas letais envoltas em papel colorido.

REBELIÓN

O pós-neoliberalismo, notas para uma discussão

Por Pablo Dávalos | 19/07/2016

Seriam as políticas públicas dos governos progressistas latino-americanos uma variante do neoliberalismo?

O conceito de “pós-neoliberalismo” tem sido utilizado para qualificar a ruptura com o neoliberalismo que os governos autodenominados “progressistas” provocaram, em seu momento, (...)

NOTÍCIAS

A OTAN tem um jeito bastante peculiar de demonstrar que não quer uma nova Guerra Fria

Por Nika Knight | 15/07/2016

No primeiro dia da cúpula da OTAN, críticos condenam "o novo e perigoso plano" para provocar a Rússia e a destacada presença militar nas suas fronteiras

No primeiro dia do encontro da OTAN no último final de semana em Varsóvia, Polônia, o secretário-geral da OTAN Jens Stolnenberg assegurou ao público, "Nós não queremos uma nova Guerra Fria. A Guerra Fria é história e deveria continuar como tal." Contudo, Stolnenberg pareceu simultaneamente desafiar essa declaração quando também anunciou que a "força de reação" da OTAN é atualmente três vezes maior em relação ao período da Guerra Fria - mais aumentos e receia-se que as recentes bravatas da OTAN levem a um grande conflito com a Rússia.

NUSO

A economia chinesa: solução ou parte do problema?

Por Julio Sevares | 13/07/2016

China, antiga estrela econômica internacional, pode ser hoje parte da grave crise que afeta o mundo e incide com força na América Latina

A China deixou de ser a indiscutível estrela do êxito econômico e a locomotora do crescimento para converter-se em parte do problema da economia Internacional.Desde o começo deste século e até a crise iniciada em 2008, a economia chinesa cresceu aproximadamente 10% e carregou o resto da economia mundial, especialmente aquelas exportadoras de matérias-primas. Para enfrentar a crise, o governo chinês implementou um pacote de medidas de investimentos públicos, bem como estímulos ao investimento, logrando um crescimento de 8,7% no ano de 2009, menor que os anos anteriores, mas muito alto em comparação com o resto das grandes economias.

ALAINET

Mercosul: O problema é o Brasil e a vendetta paraguaia, não a Venezuela

Por Rubén Armendáriz | 11/07/2016

Adiar a passagem da presidência pro tempore para a Venezuela desrespeita duplamente o Tratado de Assunção

O chanceler interino do Brasil, José Serra, exigiu em Montevidéu ao presidente uruguaio Tabaré Vázquez, e ao seu chanceler Rodolfo Nin Novoa, suspender a passagem da presidência pro tempore do Mercosul para a Venezuela.

ALAINET

Como o Brexit afeta a América Latina?

Por Diego González e Julia Muriel Dominzain | 09/07/2016

O Brexit não afeta diretamente a América Latina, mas supõe uma transformação global de impactos inevitáveis que não pode ser ignorada

Com a divulgação do resultado do Brexit, as consequências na América Latina não tardaram em se manifestar. O valor da bolsa no Brasil caiu, o peso argentino se desvalorizou, houve ajustes no México e os habitantes das Malvinas expressaram sua preocupação. Como então o Brexit afeta a América Latina?

PÁGINA/12

“Uma Alca hoje seria um desastre”

Por Martín Granovsky | 07/07/2016

entrevista com Celso Amorim

Apregoa uma política externa “altiva e ativa” e cumpre o tema para si mesmo. Aos 74 anos, Celso Amorim, Chanceler de Lula durante seus oito anos de governo e Ministro da Defesa durante o primeiro mandato de Dilma Roussef, forma parte de um grupo que assessora o Secretário-Geral das Nações Unidas em questões de saúde e crises sanitárias. Mas também reserva tempo livre para a Política e a pesquisa: amanhã (4) apresentará seu novo livro, que promete ser franco, e concedeu entrevista por telefone a este jornal.

NODAL

Adeus ao TLC Mercosul-UE, com uma ajudinha do Brexit

Por Rubén Armendariz | 05/07/2016

Embora o Brexit não signifique desastre econômico ou comercial para a América Latina ou o Mercosul, alguns efeitos já podem ser sentidos na região.

Na semana passada, para a maioria dos membros do Mercosul, sua atração com a União Europeia (UE) passou de uma grata aventura para o sabor do trago amargo de um coquetel composto de decepção, desdém e incertezas.