sexta, 22 de setembro de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

BRASIL DE FATO

dilma_costa05

Uma aliança a partir do Sul

A aproximação entre as potências emergentes, o estreitamento das relações entre China e América Latina abrem um novo ciclo histórico de afirmação do Sul global.

A conjuntura latino-americana contemporânea, que mostrou grandes avanços nos processos de integração regional a partir de um novo ciclo das forças progressistas e de esquerda na região, se mostra, atualmente, como um amplo espaço de disputa entre dois projetos antagônicos.

OPERA MUNDI

SM15 Peruvian Photo Op with MD and Pres. Jim Yong Kim

Política Externa está em perigo

Os principais veículos da imprensa corporativa, associados a círculos partidários e empresariais, avançam cotidianamente sua agenda para a política externa.

A contraofensiva conservadora espeta garras sobre todas as esferas da sociedade, do Estado e do governo. Seus agentes sentem-se à vontade para encurralar o campo progressista até em setores de pouca dependência parlamentar, como é o caso da diplomacia.

BRICS

TS_protesto-Cinelandia-Rio-contra-terceirizacao_05292015005

BRICS e o futuro do trabalho

O grupo avança, mas precisa criar alternativas e não manter os países como reféns do mercado financeiro

Hoje em dia os BRICS já deixaram de ser uma completa novidade nas (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

dilma_chin_atos00978

No País Errado

A política externa brasileira tornou-se alvo preferencial de disputas partidárias menores e míopes.

BRICS

brics

Os ianques agradecem

O apoio dos BRICS auxilia na superação da dependência da América Latina frente aos EUA

Em artigo publicado recentemente pela Carta Maior, o professor J. C. Assis denunciou que o Banco Central está bloqueando a participação do Brasil no (...)

CARTA MAIOR

_STU4751-Edit

Banco Central bloqueia participação do Brasil no Banco dos BRICS

O argumento da vertente entreguista do Banco Central é grotesco: a transferência de recursos não altera a posição fiscal brasileira.

Em mais uma ação de cabal subordinação à finança anglo-americana, o Banco Central do Brasil está dificultando, com evidente intenção de sabotar a capitalização da parte brasileira no Banco dos BRICS sob o pretexto imbecil de proteger as reservas internacionais. O Banco dos BRICS é, de longe, o principal legado do primeiro mandato de Dilma no plano internacional. Deverá ser o grande instrumento de financiamento da infraestrutura no bloco, independente da interferência, das taxas de juros e das condicionalidades norte-americanas e europeias.

AMÉRICA LATINA

20150411-dilmaeobama-20150411-2-2800

O contexto internacional e as ameaças ao Brasil e à América Latina

A crise brasileira segue uma dinâmica nacional clara, mas faz parte de uma investida contra o ciclo progressista latino

Os processos históricos nacionais, sobretudo de países do porte do Brasil, (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Conferencia nac. pol externa

“Questões como a América do Sul, África, IBAS, são as que talvez estejam precisando de uma certa injeção de ânimo”

Entrevista com Celso Amorim

As discussões sobre a Política Externa estão, atualmente, cada vez mais (...)

GOVERNANÇA GLOBAL

Conferencia nac. pol externa

O Brasil Emergente e os Desafios da Governança Global: A Paz Liberal em questão

O Brasil constitui um poder emergente que tem procurado atuar como força de propulsão conducente a um(...)

CARTA MAIOR

14112014-_R0V6369-Editar

Brics: um novo fundo monetário e um novo banco de desenvolvimento

Cabe aos Brics mostrar, em especial aos países em desenvolvimento, por que e para que queremos mais influência e poder decisório

A escassez de recursos para financiar o desenvolvimento e os surtos recorrentes de instabilidade nos mercados internacionais, com efeitos mais intensos nas economias emergentes, conferem importância crucial à criação de mecanismos de autodefesa e financiamento. As instituições multilaterais sediadas em Washington – o FMI e o Banco Mundial – mostram grande dificuldade de evoluir e se adaptar à nova realidade internacional, marcada pelo peso crescente das economias emergentes. O G20 está semiparalisado desde 2011. Diante disso, os emergentes vêm tomando, há algum tempo, as suas próprias providências em âmbito nacional e reforçando alianças entre si.