quinta, 23 de novembro de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

AMÉRICA LATINA

1077344

As direitas profundas da América Latina

O ressurgimento das direitas na América Latina pode ser explicado tanto pelo desgaste natural do exercício dos governos progressistas quanto pela manutenção, em termos sociais, do conservadorismo

Nos últimos tempos, as direitas latino-americanas têm se mostrado muito ativas e conquistado vitórias significativas. A última, por ordem de aparição: o descarrilamento do processo de paz na Colômbia.

CELAG

Mitad del Mundo - Equador, 27/01/2016. Presidenta Dilma Rousseff durante Sessão de abertura da IV Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos - CELAC. Foto: Rafael Carlota/PR

A integração regional em disputa

A alteração na correlação de forças, ausência de instituições de caráter supranacional e falta de complementaridade produtiva marcam o retrocesso da integração regional na América Latina.

Algumas semanas atrás escrevi sobre como a América Latina havia sido convertida na principal região na construção da multipolaridade no Sistema Internacional. Nesta construção, sem dúvida alguma, as novas orientações políticas e econômicas que emanavam do que vinhamos denominando como regionalismo pós-neoliberal possuíam um papel fundamental. Estes processos de integração deviam ajudar a consolidar as grandes mudanças políticas, econômicas e sociais ocorridas durante a última década. No entanto, podemos observar que durante o último ano, os processos de integração regional e concertação política surgidos da orientação política na região durante a última década e meia, também estão em disputa.

CELAG

19

#NeoSocialDemocracia

Os desafios vividos por toda região sul do continente americano abrem espaço para paradigmas novos que, paradoxalmente, fazem ressurgir velhos modos de condução política e econômica

Não é novo. O processo de social-democratizar qualquer processo revolucionário tem infinitos precedentes na história política latino-americana. Desde a Aliança para o Progresso (iniciada por Kennedy) até os primeiros anos da época Clinton.

NODAL

Presidente Michel Temer durante sua posse no Senado Federal.
(Brasília - DF, 31/08/2016)
Foto: Marcos Corrêa/PR

Voltam os tempos conservadores?

Entender a onda de governos conservadores que parece abarcar a América Latina passa pela compreensão dos ciclos curtos e longos na região

Há uma mudança de ciclo político na América Latina? É o que a direita vem proclamando desde algum tempo. Recentes derrotas e crises de governos progressistas na região comprovariam o fato. Novas e velhas direitas despontam buscando impor sua hegemonia.

REDE BRASIL ATUAL

Celso Amorim-Eraldo Peres-31052007-AP

Investidas conservadoras ameaçam autonomia da América Latina, diz Amorim

Para ex-ministro de Relações Exteriores, governos populares no continente lidam com ataques ferozes às conquistas sociais e econômicas dos últimos anos

As conquistas sociais e econômicas dos últimos anos em países como Brasil, Venezuela, Bolívia, Uruguai e Argentina estão em risco? A questão foi direcionada ao ex-ministro de Relações Exteriores (governos Itamar e Lula) e ex-ministro da Defesa (governo Dilma) Celso Amorim, durante debate na última terça-feira (25), durante congresso realizado pela Fundacentro, pela Associação Latino-americana de Advogados Trabalhistas (Alal, na sigla em espanhol) e pelo Ministério Público do Trabalho.