sexta, 22 de setembro de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

AMÉRICA LATINA

20150411-dilmaeobama-20150411-2-2800

O contexto internacional e as ameaças ao Brasil e à América Latina

A crise brasileira segue uma dinâmica nacional clara, mas faz parte de uma investida contra o ciclo progressista latino

Os processos históricos nacionais, sobretudo de países do porte do Brasil, (...)

CÚPULA DAS AMÉRICAS

plenaria_cup47

Panamá, uma Cúpula das Américas em transição?

É fato que a Cúpula de Panamá se apresenta como um capítulo a mais nos recuos da diplomacia norte-americana na região

Talvez seja cedo para tirar todas as conclusões e ter um balanço completo do (...)

GOVERNANÇA GLOBAL

Cristina-Pecequilo-Brazil2-1024x680

A América do Sul como espaço Geopolítico e Geoeconômico: O Brasil, os Estados Unidos e a China

As transformações recentes do equilíbrio de poder mundial, que indicam a ascensão dos(...)

PORTAL VERMELHO

sug_plenaria_amerc_pan55

Cúpula das Américas

A 7ª Cúpula das Américas, que se realizou nos dias 10 e 11 de abril, no Panamá, terminou sem que tenha sido possível chegar a acordo quanto a uma declaração final. Tal fato não constitui uma surpresa.

Desde 1994, ano em que por iniciativa dos EUA tiveram início estas cúpulas, importantes transformações se verificaram na América Latina e no Caribe – a 7ª Cúpula das Américas é disso testemunha. Longe vão os tempos em que os EUA decretavam todas as regras e os resultados do jogo.

REDE BRASIL ATUAL

Obama-e-Raul-Castro_Panama__Cupula-das-Americas01

Com a participação de Cuba, Cúpula das Américas reúne líderes no Panamá

A primeira conferência hemisférica em que os líderes dos Estados Unidos e de Cuba sentarão à mesma mesa, desde a ruptura das relações diplomáticas há mais de 50 anos

Os chefes de Estado e de Governo de 35 países vão participar nesta sexta-feira (10) da 7ª Cúpula das Américas – a primeira conferência hemisférica em que os líderes dos Estados Unidos e (...)

COMÉRCIO INTERNACIONAL

14122322374_a03330afcd_o

TISA: a pior ameaça aos serviços já vista

Desde 2012, governos de 50 países, liderados por EUA e UE, tramam um amplo Acordo sobre o Comércio de Serviços, o TISA

A ideia é simples: como na Organização Mundial do Comércio (OMC) não foi possível estabelecer acordos ultraliberais em função, principalmente, da (...)

OUTRAS PALAVRAS

canal nicaragua-medio

Geografia e Estratégia

A geografia teve um papel decisivo na formação e no desenvolvimento político e econômico da América do Sul. Por um lado, ela permitiu e estimulou a formação de uma região geopolítica e geoeconômica plana, homogênea, (...)

AMÉRICAS

papa-francisco-cuba-eua-mini

Análise: Fatores regionais e globais permitiram reatamento de Cuba e EUA

Os tempos históricos no Caribe são especiais. Relatava o escritor cubano Alejo Carpentier em sua obra "O Século das Luzes" que a chegada da guilhotina às (...)

RELAÇÕES BRASIL - EUA

Barack Obama e Dilma Rousseff em Brisbane, durante a foto oficial do encontro do G20, em 15 de novembro. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Autonomia diante dos EUA é comunismo ou bolivarianismo?

“Marx puro! Mas não por causa da propaganda; Eu acho que essa visão [marxista] teria sido inventada aqui, mesmo se Marx nunca tivesse existido – ela se (...)

GUERRA AO TERROR

obama-mini

Com o terror racional podemos dialogar?

Do alto de sua sabedoria e de seu “realismo humanista”, experientes jornalistas, analistas internacionais, professores e diplomatas brasileiros estão em estado de indignação após o discurso da presidenta Dilma Rousseff na ONU.Tudo isso porque a presidenta condenou o uso da força por parte dos EUA como meio de resolução de conflitos armados que acontecem, atualmente, na Síria e no Iraque, ao mesmo tempo em que solicitou o diálogo com a comunidade internacional e apelou para o uso do direito e das instituições internacionais como instrumentos mais adequados para a paz. Os “indignados” dizem ser favoráveis ao diálogo e apoiam a utilização do direito internacional, mas ressalvam que isso não serve para esses “fanáticos islâmicos”. Segundo um experiente jornalista brasileiro, “nem à força esse tipo de fanáticos se dobra”. Se eu entendi corretamente, o jornalista quer dizer que eles não são passiveis de dissuasão. Bem, neste caso sou obrigado a concluir que é preciso eliminá-los. É isso mesmo?