tera, 21 de novembro de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

AMÉRICA DO SUL

O empresário Mauricio Macri, 56 anos, é o novo presidente da Argentina. Atual prefeito de Buenos Aires, ele é ex-presidente do clube Boca Juniors e líder de uma frente de centro-direita opositora do atual governo de Cristina Kirchner. Macri foi eleito neste domingo (22), na primeira vez na história do país em que uma eleição presidencial foi decidida no segundo turno, e vai governar por quatro anos. Ele irá assumir a presidência no dia 10 de dezembro deste ano.

América do Sul: uma guinada à direita?

Entrevista com André Calixtre

“Não é mais possível ignorar as classes populares. Então, todo o processo de mudança radical na política, dentro de uma democracia, terá de considerá-las”, diz o economista.

AMÉRICA LATINA

Os presidentes do Mercosul durante a cúpula do bloco, no último dia 21.  Foto: reprodução

“A esquerda reduziu a pobreza na América Latina”

Entrevista com Marcelo Zero

Para o sociólogo e especialista em relações internacionais, Marcelo Zero, os governos de esquerda latino-americanos promoveram crescimento econômico com inclusão social e (...)

AMÉRICA DO SUL

cb26c7ce-6e62-44cb-9e05-3ed0d95f7499

O futuro incerto do ciclo progressista sul-americano

É precipitado dizer que a vitória de Mauricio Macri na Argentina representa o ocaso dos governos de esquerda

Escrevo no calor das eleições argentinas e sua opção, nada inédita, de (...)

CARTA MAIOR

brasil-argentina-comercio

Relações Brasil-Argentina: tudo nos une e nada nos separa

Unidas, as duas nações podem elevar toda a América do Sul a um patamar superior, por isso, os países hegemônicos agem no sentido de frear esta aproximação

Esta breve nota, parte do trabalho “Olhares sobre os 30 anos da Ponte Tancredo Neves” para o Portal H2Foz, busca apresentar uma análise que se distancia dos impactos diretos da obra de engenharia e se detém muito mais a questões macro a respeito da união estratégica entre o Brasil e a Argentina. A construção da ponte, neste caso, é interpretada como parte do lento e complexo amadurecimento de uma relação secular entre os dois gigantes da América do Sul.

REDE BRASIL ATUAL

16062010-16062010WD6257B

Tarifa zero para livre comércio seria o fim do Mercosul, afirma embaixador

Segundo Samuel Pinheiro Guimarães, globalização já mostra o lado negativo desde 2008

O embaixador Samuel Pinheiro Guimarães afirmou ontem (2) que a base da concepção do Mercosul é promover as empresas nacionais nas relações comerciais entre os países membros do bloco. Estipular "tarifa zero"– como defendem alguns críticos do bloco – seria o fim do Mercosul, disse o embaixador, durante o 15º Congresso Internacional do Fórum Universitário Mercosul. “A base do Mercosul é a preferência do capital nacional, se você elimina essa preferência, você elimina o Mercosul, só fica a casca.”

REDE BRASIL ATUAL

Celso Amorim-Eraldo Peres-31052007-AP

Investidas conservadoras ameaçam autonomia da América Latina, diz Amorim

Para ex-ministro de Relações Exteriores, governos populares no continente lidam com ataques ferozes às conquistas sociais e econômicas dos últimos anos

As conquistas sociais e econômicas dos últimos anos em países como Brasil, Venezuela, Bolívia, Uruguai e Argentina estão em risco? A questão foi direcionada ao ex-ministro de Relações Exteriores (governos Itamar e Lula) e ex-ministro da Defesa (governo Dilma) Celso Amorim, durante debate na última terça-feira (25), durante congresso realizado pela Fundacentro, pela Associação Latino-americana de Advogados Trabalhistas (Alal, na sigla em espanhol) e pelo Ministério Público do Trabalho.

MERCOSUL

be15f6d4-cb40-4ec7-a121-aa05820f4550

Mercosul: dificuldades e poucos avanços

O contexto de crise de alguns países impede o prosseguimento da integração regional

Seria prudente aguardar algum tempo para analisar o resultado da 48ª (...)

LE MONDE DIPLOMATIQUE BRASIL

sul

Nosso norte é o Sul

A consolidação da América do Sul como espaço estável e de integração é prioritária para a política externa brasileira. Na sequência, enfatiza-se a necessidade de fortalecimento da relação com os Brics, a África, os Estados Unidos e a União Europeia, nessa ordem

  Partidos, eleições e política externa O segundo mandato de Dilma Rousseff se iniciou depois de uma eleição em que os temas internacionais apareceram de forma subsidiária no debate – em geral, dentro de um discurso anacrônico de alguns candidatos, calcado na recuperação do imaginário de Cuba como o inimigo comunista da Guerra Fria. Questionou-se […]

INTEGRAÇÃO REGIONAL

46b083ac-92de-422a-91c3-7fd6c4c17e35

Mercosul para os povos?

A Alca morreu, mas a estrada para o neoliberalismo ortodoxo segue aberta e precisa ser contestada

Se a 18ª Cúpula Social do Mercosul realizada em Brasília entre os dias 14 e 16 de julho de 2015, dez anos após a derrota da Alca, fosse uma estrada, o local (...)

MERCOSUL

932012976-48-cupula-do-mercosul-e-estados-associados

Cúpula do Mercosul reforçou governos progressistas do bloco contra ameaças externas

Entrevista com João Cláudio Pitillo

Com exclusividade para a Sputnik Brasil, ele destaca, em particular, os riscos que correm os governos (...)