sexta, 22 de setembro de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

9mha5jhshiq84y0f7bikswhhj

Democracia e Política Externa no Brasil

A redemocratização do Brasil teve forte impacto na política externa do país, aproximando as políticas sociais da agenda de cooperação internacional, sobretudo nos temas de segurança alimentar e saúde pública. Contudo, persistem resistências no Ministério das Relações Exteriores com respeito à participação cidadã na diplomacia e as decisões relativas à promoção e defesa da democracia têm sido contraditórias e instáveis. Ao mesmo tempo, a maior presença dos movimentos sociais brasileiros em redes transnacionais mudou a luta política em áreas como meio ambiente e Direitos Humanos, com grupos locais buscando aliados no exterior para compensar sua fragilidade doméstica.

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

f23af003-043d-486b-9f09-32956963ec06

Copa, Olimpíadas e a inserção internacional do Brasil

A política externa altiva e ativa, que teria seu pódio nas grandes competições esportivas, refletiu acertos e complexidades dos governos Lula e Dilma

Em meio ao Fla-Flu ideológico vivido pelo Brasil nas competições pelo (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

af6b7db7-fea0-4804-89a8-b5aedfd5921d

Serra e o desmonte radical da política externa

Foi colocada em prática uma diplomacia derrotada nas urnas, pautada pela rendição às grandes potências

Uma guinada radical e acelerada nas diretrizes da política externa passou a ocorrer desde a posse de José Serra na pasta das Relações Exteriores, (...)

ALAINET

27460498702_6b581066e1_k

Mercosul: O problema é o Brasil e a vendetta paraguaia, não a Venezuela

Adiar a passagem da presidência pro tempore para a Venezuela desrespeita duplamente o Tratado de Assunção

O chanceler interino do Brasil, José Serra, exigiu em Montevidéu ao presidente uruguaio Tabaré Vázquez, e ao seu chanceler Rodolfo Nin Novoa, suspender a passagem da presidência pro tempore do Mercosul para a Venezuela.

COMÉRCIO INTERNACIONAL

895ccc40-16b0-4fd9-bd98-51e0cfa54600 (1)

O Brasil e os tratados plurilaterais: os riscos presentes

Ao aproximar o País de tratados como o TPP e o TISA, Serra arrisca tirar do Brasil o status de ator global

O ministro interino das Relações Exteriores, José Serra (PSDB), tem falado muitas bobagens que o obrigam a voltar atrás logo (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

3616d34b-0daf-41fe-8e95-d3596edc4a59

Serra e o servilismo na política externa

Com o tucano, ressurge a visão conservadora, travestida de moderna e pragmática, de um Brasil inevitavelmente dependente

No discurso de transmissão do cargo de ministro das Relações Exteriores ao (...)

PÁGINA/12

amorim

“Uma Alca hoje seria um desastre”

entrevista com Celso Amorim

Apregoa uma política externa “altiva e ativa” e cumpre o tema para si mesmo. Aos 74 anos, Celso Amorim, Chanceler de Lula durante seus oito anos de governo e Ministro da Defesa durante o primeiro mandato de Dilma Roussef, forma parte de um grupo que assessora o Secretário-Geral das Nações Unidas em questões de saúde e crises sanitárias. Mas também reserva tempo livre para a Política e a pesquisa: amanhã (4) apresentará seu novo livro, que promete ser franco, e concedeu entrevista por telefone a este jornal.

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

f7be1262-8927-428a-8517-95f5494d23b3

A Fiesp e a política externa de José Serra

Desde 2013, a grande burguesia interna brasileira voltou a apoiar uma política externa de subordinação passiva com o imperialismo.

A política externa foi um instrumento importante dos programas de governo do PSDB e do PT. Em conjunto com as demais políticas (econômica e social) a (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

8ea55afb-581f-4a37-a6ca-5770512119a7

Política Externa Brasileira Interina: diplomacia sob nova direção

Mudanças em posições históricas, desconhecimento e caça às bruxas no Itamaraty marcam a gestão Serra

Há um mês, o senador José Serra (PSDB) tomou posse como ministro das (...)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) concede entrevista.Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Golpe de Estado no Brasil e retrocesso de Washington na América Latina

Ou os motivos de Serra ser o tipo de pessoa que Washington tão desesperadamente gostaria de ver a cargo da política exterior do Brasil

Está claro que o Poder Executivo do governo dos Estados Unidos favorece o golpe de Estado em curso no Brasil, apesar de haver tido cuidado ao evitar qualquer respaldo explícito. A primeira amostra foi o encontro entre Tom Shannon, o funcionário número 3 do Departamento de Estado dos EUA, e quem sem dúvidas está encarregado de manejar esta situação, junto ao senador Aloysio Nunes, um dos líderes do processo político contra a presidenta Dilma Rousseff no Senado brasileiro, dia 20 de abril. Mediante a celebração desta reunião apenas três dias após a Câmara ter votado a favor da destituição da presidenta Rousseff, Shannon envia um sinal aos governos e diplomatas em toda a região e ao mundo de que para Washington o processo é mais que aceitável. Nunes lhe devolveu o favor ao liderar um esforço (sendo o presidente do Comitê de Relações Exteriores no Senado) para suspender a Venezuela do Mercosul.