quinta, 23 de novembro de 2017

Brasil no Mundo

Contribuições para a Política Externa Brasileira

receba a newsletter

busca no site

BRASIL-EUA

1508rs0001

A new Strategic Dialogue: Brazil-US relations in Lula’s presidency (2003-2010)

Since 2003, until the end of Luis Inácio Lula´s da Silva term as Brazilian President in 2010, one of the most controversial issues of the country´s foreign policy was the status of bilateral relations with the US. For some, they have grown weaker because of Brazil’s “new options”, the reinforcement of the South-South cooperation axis;, for others, the alliance has grown stronger due to the strength of our political, (...)

GOLPE E POLÍTICA EXTERNA

Brasília - DF, 30/05/2016. Presidenta Dilma Rousseff recebe cumprimentos de populares durante Lançamento do Livro A Resistência ao Golpe de 2016 ..  Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Uma autocrítica necessária: o Brasil do golpe

Ao adquirir baixo perfil na política externa, o governo Rousseff abriu espaço para a consolidação, no governo interino, das tendências que reduzem o protagonismo internacional do Brasil

O Brasil de maio de 2016 é um país em crise na economia, na política e na (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

a86fffde-1083-4c9e-a292-d4210cefc391

Temer, Itamar às avessas?

Expectativas para o governo interino na política externa

Nas análises sobre a política externa brasileira, entre os especialistas do assunto tornou-se de certa forma consensual o argumento apresentado por Lima (...)

CSONU

Wide view of the Security Council meeting on the situation in Ukraine

A Reforma da ONU e os desafios brasileiros

Para além de suas tradicionais credenciais diplomáticas e geopolíticas, o País tem acúmulo suficiente para contribuir no CSONU em questões concernentes ao desenvolvimento e à segurança internacional

“O tema da Reforma da ONU já cansou!”, muitos dirão. Completam-se os (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

serra-discurso

Breve análise das diretrizes de José Serra para a política externa

As diretrizes anunciadas repetem a velha cartilha conservadora

Em seu discurso de estreia, o chanceler do governo golpista repetiu os mesmos (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

image_large

O lugar do Sul na política externa brasileira do governo provisório

Descarte da dimensão Sul-Sul seria ação imprudente à política externa brasileira

Desde seus primeiros minutos em ação, o governo provisório, liderado pelo (...)

POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Discurso do ministro José Serra na cerimônia de transmissão do cargo de ministro de Estado das Relações Exteriores.
Brasília, 18 de maio de 2016
Foto: Jessika Lima/AIG-MRE

O papel da política externa na restauração do neoliberalismo tardio

A estratégia para reconduzir a política externa ao seu “leito natural” é simples: aderir a acordos de livre comércio com potências tradicionais

A nomeação de José Serra para conduzir a política externa do governo (...)

GOLPE E POLÍTICA EXTERNA

Plenário do Senado durante sessão deliberativa ordinária.senador Jorge Viana (PT-AC) à mesa preside sessão.Foto: Beto Barata/Agência Senado

Crise no Brasil e seu impacto regional

Mesmo com rediscussão nos temas de curto prazo, uma possível mudança de governo não deverá afetar os traços de longo prazo da política externa brasileira

Tem sido escrito muito sobre a crise brasileira. Aguçou-se decisivamente em (...)

AGÊNCIA PÚBLICA

amorim

Sede de África

A atuação das multinacionais brasileiras na África é uma questão em grande parte nova no País, que pode ser aperfeiçoada

É um Celso Amorim informal o que nos recebe em seu apartamento em Copacabana, iluminado pela tarde de verão. Longe de governos e dos rituais de sua profissão, o ex-chanceler e ex-ministro da Defesa respondeu abertamente às perguntas da Pública com bom humor e pragmatismo. Não assumiu a defensiva nem quando questionado a respeito da relação do país com governos autoritários, como o de Angola.

CARTA MAIOR

brasil-argentina-comercio

Relações Brasil-Argentina: tudo nos une e nada nos separa

Unidas, as duas nações podem elevar toda a América do Sul a um patamar superior, por isso, os países hegemônicos agem no sentido de frear esta aproximação

Esta breve nota, parte do trabalho “Olhares sobre os 30 anos da Ponte Tancredo Neves” para o Portal H2Foz, busca apresentar uma análise que se distancia dos impactos diretos da obra de engenharia e se detém muito mais a questões macro a respeito da união estratégica entre o Brasil e a Argentina. A construção da ponte, neste caso, é interpretada como parte do lento e complexo amadurecimento de uma relação secular entre os dois gigantes da América do Sul.